sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Minha quarta São Silvestre


Passando pelo Teatro Municipal, Km 11 ou 12 da prova
A decisão de correr esta São Silvestre foi, primeiramente, uma maneira de celebrar a vida e a minha condição física após alguns “incidentes” e uma cirurgia traumática no início de 2017.
Estava treinando com regularidade, porém, longe da forma física que tinha quando corri as minhas três primeiras São Silvestre.
 Na semana anterior a prova tive uma intoxicação alimentar e foram dois dias inteiros na cama. Felizmente me recuperei, mas em seguida tive uma torção muscular nas costas dormindo. A dor era intensa e a menos de dois dias da corrida não tinha certeza se teria condições de correr.
                                      Saindo de casa para correr a São Silvestre
Sabia que teria que ser uma corrida lenta porque assim teria mais chances de terminar. Apesar disso, não poderia deixar de lado o visual que combinasse com a alegria da prova.
                   Eu e a Ana Paula logo após cruzar a linha de chegada 
Corri acompanhada da minha amiga Ana Paula, de Caçador -Santa Catarina, que veio com o namorado para São Paulo para correr.
Durante a corrida muitas vezes senti dor nas costas, algumas fisgadas que me impediam de respirar por alguns segundos e que me faziam dar passadas ao invés de correr.
Consegui terminar a prova com um tempo equivalente ao que corri a meia maratona do Rio há alguns anos... não importa, a alegria de cruzar a linha de chegada da Av. Paulista por onde passaram mais de 30.000 corredores foi imensa. Foram 2h15 de um esforço imenso para percorrer os 15 km do percurso pesado da São Silvestre que teve chuva, alguns raios de sol e mormaço.
Com o meu amigo Hector do Uruguai. Nos encontramos no vão do MASP, antes da largada, enquanto aguardávamos a chuva passar.   
Da esquerda para a direita, Dado namorado da Ana Paula, eu a Ana e outro corredor de Caçador.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

No Caminho do Queijo Artesanal Paulista

Descrição da foto: Grupo de viajantes posa junto com o Bode Luizinho que é abraçado pelo Vitor e o Bode Balanço que está entre a Marina e a Audy. Da esquerda para a direita, Edna, Lucy, Vinícius, Vitor, Zilda, Vilma, Edna, Geons, Marina, Regina Célia, Gisele, Marlon, Orion, Ailton, Lúcia e Audy.
Descrição da foto: oito cabras brancas comem no cocho do estábulo ripado e suspenso.
Acredito que o maior diferencial de um roteiro sensorial é promover vivências profundas de situações do cotidiano que muitas vezes não são apreciadas em toda a sua grandeza.
Visitei o Capril do Bosque com a intenção de apresentar o Projeto AMPLIANDO HORIZONTES e verificar a possibilidade de desenvolver um roteiro sensorial. Fui extremamente bem recebida pela proprietária, Heloísa Collins, que de pronto aceitou a minha proposta.
Descrição da foto: uma cabra sentada no topo da rampa do estábulo pousa para a foto.
Voltei ao capril para ajustar todos os detalhes do passeio em especial o roteiro de visitação para proporcionar aos visitantes uma experiência marcante.
O passeio aconteceu no dia 21 de outubro de 2017. O grupo formado por 15 pessoas tinha entre seus viajantes 7 pessoas cegas.

Descrição da foto: todas as pessoas do grupo estão em pé e sorrindo em frente ao Bistrô do Capril do Bosque
Saímos de São Paulo com destino a Joanópolis que fica cerca de 120 km da capital. 
Descrição da foto: da esquerda para a direita: Edna, Marina, Heloísa, a Chef Ju, Zilda que acaricia um cachorro, atrás dela Edna e ao lado Gisele. Todas as pessoas estão em pé e sorriedentes.
Descrição da foto: da esquerda para a direita: Vitor conversa com Toninho, no primeiro plano a Chef Ju e Vinícius sorriem. Todos estão em pé.
No Capril, a famosa queijeira Heloísa Collins, que produz a única versão artesanal de queijo azul de cabra do Brasil, recebeu os visitantes.
Descrição da foto: Todos em pé e sorrindo. Da esquerda para a direita: Vitor, Lucy, Vinícius, Geons, Vilma, Márcia e Heloísa. 
Conhecemos o pasto africano e desfrutamos de uma deliciosa caminhada, tocamos nas árvores, sentimos o pasto, a brisa e podemos ver ao longe a cidade de Joanópolis.
Descrição da foto: no pasto africano todos ouvem as explicações de Vitor. Da esquerda para a direita: Marlon, Orion, Vinícius, Gisele agachada brincando com um cachorro, Audy, Toninho, Regina Célia, Márcia, Vitor, Zilda e Edna.
Descrição da foto: viajantes no pasto africano que tem cerca de 60 cm de altura. O local é plano e ao fundo da foto uma cadeia de montanhas que parecem tocar no céu.  
Descrição da foto: caminhando pelo pasto, em primeiro plano Lucy e Vinícius, Orion e Marlon. Ao fundo, um pouco distante, as outras pessoas do grupo.  
Descrição da foto: da esquerda para a direita: Regina Célia, Márcia, Gisele, Marlon, Orion, Vinícius, Marina e Lucy começando a caminhada pelo pasto.
Victor, filho da Heloísa, apresentou os bodes Balanço e Luizinho. No capril suspenso, ensinou sobre o manejo das cabras. 
Descrição da foto: da esquerda para a direita, Gisele, Toninho, Vinícius, Edna e Audy, todos em pé, ao fundo o Bistrô do Capril.
Descrição da foto: Viajantes sobem a rampa do estábulo suspenso, uma construção de madeira, ripada. Na rampa Geons, Zilda, Edna, Vilma, Edna e Lúcia.
Descrição da foto: Vinícius e Toninho acariciam as cabras dentro do estábulo
Descrição da foto: Gisele agachada acaricia as cabritinhas
Descrição da foto:Vilma segura no colo uma cabritinha e Vitor a observa.
Descrição da foto: Geons segura uma cabritinha no colo, Regina Célia acaricia e Marlon ao fundo sorri.
Descrição da foto: abraçados e em pé, Vinícius, Audy e Zilda. Todos estão sorrindo e Vinícius segura uma cabritinha no colo.
Descrição da foto: Vitor ergue uma cabra e segura sua pata para que Marlon possa tocar no casco dela.
Descrição da foto: Edna segura uma cabritinha no colo que lhá dá um beijo no queixo.
Descrição da foto: Marina caminha pelo estábulo com uma cabritinha no colo e outras três caminham ao seu lado. Todas são brancas.
Os viajantes tiveram a oportunidade de dar mamadeira para as cabritinhas e também fazer a ordenha.
Descrição da foto: Gisele e Edna, agachadas, dão mamadeira para as cabritinhas
Beber o leite tirado na hora foi uma experiência ímpar para muitas pessoas que nunca tinham tido contato com cabras.
Descrição da foto: Zilda faz a ordenha da cabra e é observada pelo Vitor, ao seu lado Vinícius.
Descrição da foto: Geons segura um galho na cerca do estábulo e as cabras se aglomeram para comer.
Descrição da foto: Zilda e Vilma seguram um galho e Audy as auxilia para alimentar as cabras.
Descrição da foto: Três cabras comem o galho que o Vinícius está segurando do lado de fora da cerca do estábulo.  
Em seguida a degustação orientada de três queijos nobres produzidos no Capril e premiados: o Azul do Bosque, Serra do Lopo (lavado na cerveja 20 vezes) e Pirâmide do Bosque.
Descrição da foto: prato com três tipos de queijo, sendo dois pedaços pequenos cada, grãos de uva e pão com geléia. 
No almoço gourmet, preparado pela Chef Ju Raposo, filha da Heloísa, foi servido ravióli recheado com queijo de cabra com molho branco e nozes. A sobremesa foi cheesecake feito com queijo de cabra tipo boursin e calda de morangos frescos.
Sem dúvida uma explosão de sabores!
Descrição da foto: prato branco com raviólis com molho branco, queijo e nozes.
Nos roteiros sensoriais que organizo a visão deixa de ser o sentido principal. É preciso tocar, sentir, cheirar, ouvir e se permitir compartilhar momentos com quem não enxerga.
Um passeio que vai muito além do que a visão nos proporciona.
Descrição da foto: crachás que eu fiz para os turistas. Do lado esquerdo de cada crachá foi colada uma mini lhama, todas brancas, com as patinhas pretas para os homens e patinhas rosa para as mulheres. Todas têm uma espécie de cela colorida e as das mulheres o colorido da bandeira de Cusco no pescoço. Como não encontrei cabras ou bodes para decorar os crachás, comprei lhamas.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Os Sentidos do Café - Roteiro Sensorial


Sem dúvida foi uma alegria imensa implementar comercialmente o roteiro que desenvolvi para a defesa do Projeto AMPLIANDO HORIZONTES no meu curso de Guia de Turismo do SENAC em 2016. 
                          Grupo de viajantes passeio - 08/06/2017
                          Grupo de viajantes passeio - 24/06/2017 
O roteiro foi executado em duas edições nos dias 8 e 24 de junho de 2017 e contou com a participação de 40 pessoas entre crianças, adultos e idosos. Entre os viajantes havia 12 pessoas cegas.
 Audy abraça as crianças Camila e Carol e na frente o bebê Bento, com 5 meses, dorme do carrinho durante a colheita de café. 
Este roteiro foi pensado para oferecer uma experiência sensorial que vai muito além do que a visão nos proporciona. 
Sidney tateia placa de madeira com a marca kaynã e o símbolo da coruja em alto relevo. 
Saímos de São Paulo com destino à Fazenda Retiro Santo Antônio, a 196 km da capital, localizada nas proximidades da cidade Santo Antônio do Jardim. O proprietário da Fazenda, Jefferson Adorno, nos recebeu com um delicioso café colonial. 
                               Jefferson explica sobre a produção do café Kaynã
                               Viajantes ouvem informações sobre o café kaynã
Aprendemos sobre o cultivo estritamente sustentável do café Kaynã, produto selecionado pelo Instituto Atá do consagrado Chef Alex Atala e também servido na rede de Sorveteria Ben&Jerry´s no Brasil.
                         Uma trilha curta nos levou ao cafezal. 
                                 Jefferson mostra como o cafezal é cultivado
                            Selma empurra o carrinho com o bebê Bento no cafezal 
Todos os viajantes tiveram a oportunidade de participar da colheita, sentir a textura dos grãos verdes, maduros e secos.
Sidney, Audy e Ana Cláudia colhem café
Ton e Laís participam da colheita de café
Grupo se diverte fazendo a colheita
Sidney e a filha Carol brincam no cafezal
A roda dos grãos no terreiro proporciona muitas sensações para os participantes do Roteiro " Os Sentidos do Café".
                                    Ricardo roda os grãos acompanhado do Jefferson
                                                 Cris faz a roda dos grãos ao lado da Audy
                                                 Ricardo e Sérgio sentem os grãos de café
O almoço, comida da roça, foi preparada com todo o carinho pela Lurdinha e o Adriano, proprietários do Paganini & Palermo Empório Rural. Saboreamos produtos cultivados no próprio sítio.
Jardim do Empório
No balanço Cris, Lucy e Conceição
Na Cafeteria Loretto, do jogador de futebol Danilo Silva, em Espírito Santo do Pinhal, fomos recebidos pelo Gerente Heitor Palermo Júnior e pela equipe de colaboradores muito acolhedora que nos mostrou como é feita a torra e a moagem do café. Envolvidos pela explosão de aroma da torra degustamos uma seleção de cafés gourmet tipo exportação da Loretto. 
Diego explicando sobre a torra do café
Em pé da esquerda para a direita: Geons, Ana Cláudia, Diego, Júnior, Laís, Ton e Rosana. Agachados : Bell, Gilberto, Audy e Orion. Roteiro 24/06/2017
Roteiro 08/06/2017. Grupo reunido em frente a Cafeteria Loretto.